sábado, 7 de março de 2009

Ai! Ai!


Notícia divulgada hoje pelo "Expresso"
Ministério manda retirar software de computador Magalhães com erros de português
07.03.2009 - 15h21 Lusa, com PÚBLICO
O Ministério da Educação solicitou a remoção de software associado a uma aplicação de um jogo instalada nos computadores Magalhães após a detecção de graves erros de português, segundo uma nota hoje divulgada. O assunto, noticiado hoje pelo semanário "Expresso", foi denunciado pelo deputado José Paulo de Carvalho, antigo deputado do PP, actualmente não inscrito.

Os erros mais de 80 erros, entre os quais "gravar-lo", "puxando-las", "acabas-te", "básicamente", "fês", "caêm", e ainda textos inteiros sem sentido, que teriam como objectivo ensinar as instruções dos jogos, aparecem em vários ecrãs desses mesmos jogos didáticos do portátil dedicado aos mais novos.

O Ministério da Educação terá dado ontem ordem para as escolas retirarem dos computadores Magalhães o software de jogos didácticos depois de o "Expresso" ter confrontado o Governo com os erros de ortografia, gramática e sintaxe nas instruções dos jogos incluídos no ambiente de trabalho Linux.

Em nota hoje divulgada, a Direcção-Geral de Inovação e Desenvolvimento Curricular (DGIDC) refere que já solicitou à empresa JP Sá Couto a remoção do software associado a uma aplicação de um jogo instalada nos computadores Magalhães, depois de detectados erros ortográficos que o Ministério da Educação considera "intoleráveis".

"Em relação aos computadores já distribuídos, a DGIDC produziu um manual de instruções que permitirá que os professores, nas escolas, ou os pais, em casa, possam realizar a desinstalação de imediato", adianta o texto.

"Em todo o caso, o Ministério da Educação salienta que o computador Magalhães é, e será cada vez mais, um instrumento de trabalho inovador, seguro e indispensável nas salas de aula do 1.º ciclo", refere a nota do gabinete de comunicação do Ministério da Educação.

O secretário de Estado Adjunto da Educação, Jorge Pedreira, disse hoje, em Alcobaça, que os erros de português detectados no computador Magalhães foram "uma surpresa".

"Foi para mim uma surpresa", disse Jorge Pereira à margem do IV Seminário para a Educação.

"Naturalmente, não me parece que devesse ter acontecido", adiantou, frisando que o responsável pela verificação de erros os deveria ter detectado.

"Uma coisa é certa: não é pelo facto de um programa de jogo didáctico ter erros, que isso diminui, em alguma coisa, a utilidade e a importância do projecto do computador Magalhães", declarou o secretário de Estado.

No requerimento onde denunciava a situação, enviado ao presidente da Assembleia da República ontem, mas com data de dia 4 e tendo como destinatário o Ministério da Educação, José Paulo de Carvalho afirmava que os computadores Magalhães não estavam "a ensinar a jogar os seus jogos em português, mas sim no novo idioma oficioso do Ministério da Educação: o 'magalhanês'".

Entre as 8 questões que levantava e sobre as quais exigia uma resposta da tutela de Maria de Lurdes Rodrigues, o deputado perguntava: "que classificação, de 0 a 20, mereceria, por parte do Ministério da Educação e do ponto de vista da correcção linguística, o texto usado nas referidas instruções?".

José Paulo de Carvalho exigia ainda que fossem apuradas responsabilidades sobre este episódio.

E agora digam-me, depois de andar, desde Novembro, a preencher papéis, autorizações e mais não sei o quê. Depois de, há 3 semanas, ter"confiado" nos senhores que me vão fornecer o Magalhães e ter respondido ao sms, indo ao Multibanco pagar a quantia que me foi pedida. Depois de levar meses a desesperar com às perguntas da minha filha :"Mãe porque é que já chegou o da Raquel, ou o do Fábio,ou o do João e o meu ainda não?" Devo sentir-me feliz? Agora já posso dizer: " Olha, filha os teus colegas já têem o Magalhães, mas o deles está cheio de erros, o teu já vai chegar como deve de ser!" Será que vai? Podemos confiar num governo que tem um Secretário de Estado Adjunto da Educação (ou inducação?!) que se diz surpreendido pelos erros, ao fim de todo este tempo? A minha filhota está no 3º ano e tem uma óptima professora que os vai deixar bem preparados quando no final deste ano, infelizmente, terminar o contrato, imagino que ela se deve sentir feliz por os seus alunos andarem a aprender uma nova língua com as novas tecnologias. E depois diz-se que não há problema que quem já recebeu, terá direito a um Manual de instruções sobre como instalar e desinstalar software. Pois claro! Também há uns meses me dizia, muito convencida do assunto, uma senhora que representa uma Associação de Pais, pouco credível, na minha opinião, do agrupamento de escolas a que a minha filha pertence (Agrupamento de Escolas Padre Abílio Mendes), dizia-me, então, essa senhora que os pais que se preocupam com os filhos tinham por obrigação ler tudo quanto era legislação colocada no site do ME. Não quis chamar imbecil à senhora, mas lá lhe fui dizendo que ela devia estar a brincar comigo e perguntei-lhe se ela sabia que muitas crianças vão para a escola sem comer, que muitos alunos quase nem vêem os pais, devido ao trabalho dos mesmos que nem todos os pais têem formação académica média ou superior, como ela parecia acreditar. Que alguns pais mal sabem ler quanto mais aceder à Internet, que muitos não têem dinheiro para o dia-a-dia quanto mais para o computador! Pronto, se calhar acabei por chamar imbecil à madame, mas fiquem descansados: ela não percebeu!
Este governo parece-se um pouco com esta senhora: não percebe como pode acontecer, fica surpreendido... Enfim, já desabafei, vou preparar-me mentalmente para o novo atraso do Magalhães e para continuar a aturar a Marta. Ai! Ai!

1 comentário:

Nuno Miguel disse...

Menena vai embora mais esse menino!!!Um beijo:**))